ESTUDO 09 | OS FALSOS PROFETAS | SÉRIE - SERMÃO DA MONTANHA


TEXTO BÍBLICO: (MT 7.15-20)

“Guardai-vos dos falsos profetas, que vêm a vós disfarçados em ovelhas, mas interiormente são lobos devoradores. Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Assim, toda árvore boa produz bons frutos; porém a árvore má produz frutos maus. Uma árvore boa não pode dar maus frutos; nem uma árvore má dar frutos bons. Toda árvore que não produz bom fruto é cortada e lançada no fogo. Portanto, pelos seus frutos os conhecereis”.

FAÇA TEOLOGIA CONOSCO

Confira Alguns de Nossos Cursos

Básico em Teologia

Médio em Teologia

Avançado em Teologia

INTRODUÇÃO

A vinda dos falsos profetas “mestres”, foi anunciada como algo iminente por Jesus. Não se tratava de algo apenas hipotético, ou de uma previsão possível, mas sim de uma profecia. A manifestação dos falsos mestres seria imprescindível.

Vários outros escritores do Novo Testamento mencionam a vinda dos falsos profetas, em especial, Paulo, Pedro, Joao e Judas.

A vinda dos falsos profetas é apresentada também como um sinal escatológico da vinda de Cristo e da manifestação do Anticristo. A medida que o tempo da segunda vinda de Cristo for se aproximando, a manifestação do engano, por meio dos falsos profetas serão intensificadas. Portanto, convém estarmos atentos para as advertências da palavra de Deus sobre os falsos profetas.

A vinda dos falsos profetas

No Sermão profético, Jesus prenuncia a vinda dos falsos mestres: “Porque se levantarão falsos cristos, e falsos profetas, e farão sinais e prodígios, para enganarem, se for possível, até os escolhidos” (Marcos 13:22).

No texto paralelo de Mateus 24.24 diz: “Porque surgirão falsos cristos e falsos profetas, e farão tão grandes sinais e prodígios que, se possível fora, enganariam até os escolhidos”.

Os dois textos paralelos, que tratam do mesmo evento, chamam a atenção para o fato de que que os falsos profetas se manifestarão com o propósito de enganar os salvos com um pretexto de falsos milagres e de poderes sobrenaturais.

O sobrenatural, é algo que chama muita atenção, seja no meio evangélico, ou fora dele. ‘’Esses falsos mestres vêm amparado com um poder de engano sobrenatural extraordinário e enganará, se possível até os próprios eleitos de Deus. Hoje em dia as pessoas vivem a procura de movimentos onde se promete, revelação, cura divina, libertação. Os falsos mestres serão hábeis promotores do engano nessa área, dotados por um poder miraculoso vindo do diabo.

Não podemos ignorar os ardis de Satanás (2 Co 12.11).

Desde o início o diabo usa meios e formas para tentar imitar aquilo que é verdadeiro.

O poder do diabo

O Diabo se manifestou em forma de uma serpente e enganou Eva (Gn 1.1-6). Os magos de faraó copiaram os três primeiros 4 sinais realizados por Moisés no Egito com a intenção de confundir os telespectadores e desmerecer os milagres divinos (Ex 7.11,22; 8.7). Balaão, o falso profeta praticava adivinhação e engava as pessoas (Nm 31.16; Dt 23.4-5; Js 13.22; Ap 2.14). Simão o mágico, por meio de magia enganava as pessoas, o consideravam profeta “ao qual todos atendiam, desde o menor até o maior, dizendo: Este é o Poder de Deus que se chama Grande (At 8.10). A menina com espírito de adivinhação, ludibriava as pessoas e dava grande lucros aos seus senhores (At 16.16).

Estas passagens e diversas outras é uma demonstração do grande poder do diabo, e como são grandes seus ardis.

O engano ganhará forças no meio religioso, pois é no meio religioso que os sinais verdadeiros são realizados por meio do poder de Cristo.

Deus permitiu que Jó fosse provado pelo diabo, e Bíblia declara que o diabo tirou tudo quanto Jó tinha, inclusive sua própria saúde.

A narrativa de Jó cap. 1 e 2 descreve o diabo como o autor de vários eventos que se sucederam:

1. Os bois lavravam, e as jumentas pasciam junto a eles; 15 e deram sobre eles os sabeus, e os tomaram; mataram os moços ao fio da espada, e só eu escapei para trazer-te a nova (v 14,15).

2. Enquanto este ainda falava, veio outro e disse: Fogo de Deus caiu do céu e queimou as ovelhas e os moços, e os consumiu; e só eu escapei para trazer-te a nova (v 16).

3. Enquanto este ainda falava, veio outro e disse: Os caldeus, dividindo-se em três bandos, deram sobre os camelos e os tomaram; e mataram os moços ao fio da espada; e só eu escapei para trazer-te a nova (v 17).

4. Enquanto este ainda falava, veio outro e disse: Teus filhos e tuas filhas estavam comendo e bebendo vinho em casa do irmão mais velho; e eis que sobrevindo um grande vento de além do deserto, deu nos quatro cantos da casa, e ela caiu sobre os mancebos, de sorte que morreram; e só eu escapei para trazer-te a nova (v 18,19).

5. Saiu, pois, Satanás da presença do Senhor, e feriu Jó de úlceras malignas, desde a planta do pé até o alto da cabeça (2.7).

No episódio da tentação de Jesus (Mt 4), vemos também uma grande demonstração do poder do diabo, diante de sua ousadia para com o filho de Deus que as vezes escapa e nossa percepção:

1. Então o Diabo o levou à cidade santa, colocou-o sobre o pináculo do templo (v 5)

2. Novamente o Diabo o levou a um monte muito alto; e mostrou-lhe todos os reinos do mundo, e a glória deles (v 9).

Pode parecer estranho, mas o texto está afirmando que o diabo tem o poder de tele transporte. Ele tele transportou o filho de Deus duas vezes.

Os falsos profetas, agentes de Satanás

Como toda espécie de sutileza, astucia, engano, mentira, falsidade tem sua origem no diabo, os promotores destas coisas no mundo, tornam-se agentes seus, consciente ou inconscientemente.

O engano será a principal arma de Satanás no intento de promover a rebelião em massa da humanidade contra Deus. As primeiras palavras de Jesus, diante da pergunta dos discípulos com relação ao fim dos tempos foi essa: “Acautelai-vos, que ninguém vos engane” (Mt 24.4).

Paulo chama a atenção para o fato de que o nosso arqui-inimigo “o diabo”, pode se manifestar até mesmo em forma de anjo de luz “E não é de admirar, porquanto o próprio Satanás se disfarça em anjo de luz” (1 Co 11.14). E os seus agentes “falsos profetas”, como ministros de justiça (V 15).

Nenhum texto bíblico descreve com tanto clareza as características dos falsos profetas dos últimos dias como 2 Tm 2.1-9:

“Sabe, porém, isto: que nos últimos dias sobrevirão tempos trabalhosos. Porque haverá homens amantes de si mesmos, avarentos, presunçosos, soberbos, blasfemos, desobedientes a pais e mães, ingratos, profanos, Sem afeto natural, irreconciliáveis, caluniadores, incontinentes, cruéis, sem amor para com os bons, Traidores, obstinados, orgulhosos, mais amigos dos deleites do que amigos de Deus, Tendo aparência de piedade, mas negando a eficácia dela. Destes afasta-te. Porque deste número são os que se introduzem pelas casas, e levam cativas mulheres néscias carregadas de pecados, levadas de várias concupiscências; que aprendem sempre, e nunca podem chegar ao conhecimento da verdade. E, como Janes e Jambres resistiram a Moisés, assim também estes resistem à verdade, sendo homens corruptos de entendimento e réprobos quanto à fé. Não irão, porém, avante; porque a todos será manifesto o seu desvario, como também o foi o daqueles”.

O anticristo e anticristos

O apóstolo João escreve: “Filhinhos, esta é a última hora; e, conforme ouvistes que vem o anticristo, já muitos anticristos se têm levantado; por onde conhecemos que é a última hora. Saíram dentre nós, mas não eram dos nossos; porque, se fossem dos nossos, teriam permanecido conosco; mas todos eles saíram para que se manifestasse que não são dos nossos (1 Jo 18.19).

João fala do “anticristo” e dos “anticristos”. O anticristo é uma referência a um personagem escatológico que personificará a pessoa de Satanás. Será o ápice do engando e do domínio das trevas deste mundo. Ele é descrito como o homem do pecado, o iníquo, a quem o Senhor Jesus matará como o sopro de sua boca e destruirá com a manifestação da sua vinda (2 Ts 2.8,9).

Os “anticristos”, no plural é uma referência a todos aqueles, que motivados pelo poder e influência de Satanás, difundem o engano no meio religioso, com a intenção de promover o afastamento das pessoas da fé. Estes são os falsos profetas, os falsos mestres, falsos pastores, obreiros, quem vem vestidos como ovelhas, mais interiormente são lobos devoradores.

Jesus falou deles como falsos profetas (Mt 7.15), e também como mercenários (Jo 10.12,13), Paulo, Pedro e Judas como “falsos mestres” (2 Tm 4.3; 2 Pd 2.1; Jd 8). Desde os tempos de João existia esses “anticristos”, hoje, como nunca, estão por toda parte pois o espirito do anticristo opera no mundo (1 Jo 4.3).

O falso profeta e os falsos profetas

O “falso profeta”, é um personagem escatológico, que se aliará ao Anticristo no Período da Grande Tribulação e pelo poder do Dragão, o diabo, realizará diante de todos, sinais miraculosos e levarão as pessoas a adorarem a Besta:

“E vi subir da terra outra besta, e tinha dois chifres semelhantes aos de um cordeiro; e falava como dragão. Também exercia toda a autoridade da primeira besta na sua presença; e fazia que a terra e os que nela habitavam adorassem a primeira besta, cuja ferida mortal fora curada. E operava grandes sinais, de maneira que fazia até descer fogo do céu à terra, à vista dos homens; e, por meio dos sinais que lhe foi permitido fazer na presença da besta, enganava os que habitavam sobre a terra e lhes dizia que fizessem uma imagem à besta que recebera a ferida da espada e vivia (Ap 13.11-14).

A fonte deste poder é o próprio diabo, o príncipe do engano, ele conferirá autoridade a Besta, e a segunda Besta, o falso profeta também receberá do mesmo poder, este trio satânico tentará imitar a Trindade Divina e conseguirá êxito pois as pessoas desde mundo, estão propensas ao pecado e ao engano.

Paulo afirma: “a esse iníquo cuja vinda é segundo a eficácia de Satanás com todo o poder e sinais e prodígios de mentira e com todo o engano da injustiça para os que perecem, porque não receberam o amor da verdade para serem salvos. E por isso Deus lhes envia a operação do erro, para que creiam na mentira; para que sejam julgados todos os que não creram na verdade, antes tiveram prazer na injustiça” (2 Ts 2.9-12).

Pelo fato de as pessoas não se preocuparem em conhecer a verdade de Deus, Deus permitirá que elas sejam enganadas.

Pelos frutos os conhecereis

“Pelos seus frutos os conhecereis. Colhem-se, porventura, uvas dos espinheiros, ou figos dos abrolhos? Assim, toda árvore boa produz bons frutos; porém a árvore má produz frutos maus. Uma árvore boa não pode dar maus frutos; nem uma árvore má dar frutos bons” (Mt 7.16-18).

Os frutos é uma referência ao caráter cristão e não somente às boas obras em si. Os mestres do engano, afim de conquistar a confiança e a credibilidade dos incautos agem como se fosse verdadeiros filhos da luz, isso é praticando a benevolência e a caridade. No entanto nunca passarão no teste do caráter. Caráter cristão é quando manifestamos em nosso ser as virtudes de Cristo. As questões dos frutos espirituais devem ser analisados, mais em sentido teológico, que prático. Portanto, conhecer a palavra de Deus de maneira profundo pode ser a melhor maneira de identificarmos um falso profeta.

CONCLUSÃO

Os crentes da atualidade não se preocupam muito em obter conhecimento bíblico, para ter condições de rebater e avaliar uma questão tão séria quanto a que estamos tratando nesse comentário. Para certificarmos disso, basta avaliarmos a frequência de presença dos crentes nos cultos de ensino e escola bíblica em nossas igrejas.

A negligência para com o aprendizado cristão, possibilitará o cumprimento da missão dos falsos mestres neste mundo, que é enganar. Crente sem conhecimento é fácil de ser enganado (Os 6.3). Deus deu os dons ministeriais a Igreja com o propósito de promover sua edificação espiritual “tendo em vista o aperfeiçoamento dos santos, para a obra do ministério, para edificação do corpo de Cristo; até que todos cheguemos à unidade da fé e do pleno conhecimento do Filho de Deus, ao estado de homem feito, à medida da estatura da plenitude de Cristo; para que não mais sejamos meninos, inconstantes, levados ao redor por todo vento de doutrina, pela fraudulência dos homens, pela astúcia tendente à maquinação do erro (EF 4.12-14).


242 visualizações