O MESMO SENTIMENTO DE CRISTO


"De sorte que haja em vós o mesmo sentimento que houve também em Cristo Jesus, Filipenses 2:5"

INTRODUÇÃO

O texto de Filipenses 2.5, fala do maior sentimento que houve em Cristo Jesus: o sentimento de humildade. Primeiramente ele se humilhou tomando a dignidade de homem ou servo, segundo se humilhou sendo obediente até a morte, e morte de cruz.

Jesus é nosso maior exemplo de humilhação. Como Deus, abriu mão de todos os seus privilégios e se esvaziou de sua divindade para tomar a forma humana. Mas Jesus fez tudo isso por uma boa causa, a salvação da humanidade caída. Um homem comum não poderia salvar os pecadores, pois todos eram igualmente pecadores. Somente Deus poderia salvar o homem, mas para isso Deus tinha que tornar-se carne, e isso aconteceu quando Jesus, o Eterno Filho de Deus, abriu mão de seus privilégios divinos, para ser semelhante aos homens, e quando decidiu morrer morte de cruz, para derramar o sangue que expiaria o pecado daqueles que cressem.

FAÇA TEOLOGIA CONOSCO

Confira Alguns de Nossos Cursos

Básico em Teologia

Médio em Teologia

Avançado Teologia

1. O SENTIMENTO DE HUMILDADE

  1. Humilhou-se como Deus tomando a forma humana

  2. Humilhou-se como homem sendo obediente até a morte e morte de cruz

Deus nos exorta a nos humilhar diante dele.

Humilhem-se diante do Senhor, e ele os exaltará. (Tg 4.10)

Portanto, humilhem-se debaixo da poderosa mão de Deus, para que ele, em tempo oportuno, os exalte. (1 Pd 5.6)

Deus nos exorta a sermos humildes diante dos outros.

Quem se exaltar será humilhado; e quem se humilhar será exaltado. (Mt 23.12).

Porque pela graça que me foi dada, digo a cada um dentre vós que não tenha de si mesmo mais alto conceito do que convém; mas que pense de si sobriamente, conforme a medida da fé que Deus, repartiu a cada um. (Rm 12.3

Nada façais por contenda ou por vanglória, mas com humildade cada um considere os outros superiores a si mesmo; (Fl 2.3)

Amai-vos cordialmente uns aos outros com amor fraternal, preferindo-vos em honra uns aos outros; (Rm 12.10)

2. O SENTIMENTO DE COMPAIXÃO

Jesus teve um profundo sentimento de compaixão

Pela multidão faminta. Jesus chamou os seus discípulos, e disse: Tenho compaixão da multidão, porque já faz três dias que eles estão comigo, e não têm o que comer; e não quero despedi-los em jejum, para que não desfaleçam no caminho (Mt 15.32)

Os dois cegos saindo de Jericó. E Jesus, movido de compaixão, tocou-lhes os olhos, e imediatamente recuperaram a vista, e o seguiram (Mt 20.34)

Pela mulher viúva. Logo que o Senhor a viu, encheu-se de compaixão por ela, e disse-lhe: Não chores (Lc 7.13)

O pai pelo filho pródigo. Levantou-se, pois, e foi para seu pai. Estando ele ainda longe, seu pai o viu, encheu-se de compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou (Lc 15.20).

O Senhor é cheio de compaixão. Eis que chamamos bem-aventurados os que suportaram aflições. Ouvistes da paciência de Jó, e vistes o fim que o Senhor lhe deu, porque o Senhor é cheio de misericórdia e compaixão (Tg 5.11)

Devemos também sermos compassivos

Antes sede bondosos uns para com os outros, compassivos, perdoando-vos uns aos outros, como também Deus vos perdoou em Cristo (Ef 4.36)

Revestí-vos, pois, como eleitos de Deus, santos e amados, de coração compassivo, de benignidade, humildade, mansidão, longanimidade (Cl 3.12)

Finalmente, sede todos de um mesmo sentimento, compassivos, cheios de amor fraternal, misericordiosos, humildes (1 Pe 3.8)

3. SENTIMENTO DE ZELO

Jesus teve um profundo zelo por Deus e por sua obra

Lembraram-se então os seus discípulos de que está escrito: O zelo da tua casa me devorará. (Jo 2.17)

Devemos ter profundo zelo por Deus, mas com entendimento

Porque lhes dou testemunho de que têm zelo por Deus, mas não com entendimento. 3 Porquanto, não conhecendo a justiça de Deus, e procurando estabelecer a sua própria, não se sujeitaram à justiça de Deus. (Rm 10.2)

Devemos ser zelosos com o zelo de Deus

Porque estou zeloso de vós com zelo de Deus; pois vos desposei com um só Esposo, Cristo, para vos apresentar a ele como virgem pura. (2 Co 11.2)

Devemos procurar os dons com zelo

Mas procurai com zelo os maiores dons. Ademais, eu vos mostrarei um caminho sobremodo excelente (1 Co 12.31).

Segui o amor; e procurai com zelo os dons espirituais, mas principalmente o de profetizar (1 Co 14.1).

Devemos ter zelo na aplicação dos dons espirituais

De modo que, tendo diferentes dons segundo a graça que nos foi dada, se é profecia, seja ela segundo a medida da fé; se é ministério, seja em ministrar; se é ensinar, haja dedicação ao ensino; ou que exorta, use esse dom em exortar; o que reparte, faça-o com liberalidade; o que preside, com zelo; o que usa de misericórdia, com alegria (Rm 12.6-8)

Zelo no cuidado com os pobres

Pois quanto à ministração que se faz a favor dos santos, não necessito escrever-vos; porque bem sei a vossa prontidão, pela qual me glorio de vós perante os macedônios, dizendo que a Acaia está pronta desde o ano passado; e o vosso zelo tem estimulado muitos (2 Co 9.1,2)

O zelo é uma características principais do povo de Deus

Que se deu a si mesmo por nós para nos remir de toda a iniquidade, e purificar para si um povo todo seu, zeloso de boas obras. (Tt 2.14)

Devemos manter o zelo até o fim

E desejamos que cada um de vós mostre o mesmo zelo até o fim, para completa certeza da esperança; para que não vos torneis indolentes, mas sejais imitadores dos que pela fé e paciência herdam as promessas. (HB 6.11,12).

Devemos ser zelosos do bem

Ora, quem é o que vos fará mal, se fordes zelosos do bem (1 Pe 3.13)

CONCLUSÃO

Jesus é o nosso padrão, nosso modelo perfeito de vida cristã. Ele deve ser gerado em nós em um processo gradativo e progressivo.

Nos identificar com Cristo é uma atitude que vai custar um preço muito elevado. Nem todos estão dispostos a fazê-lo. Mas, para aqueles que realmente foram chamados por Cristo, e querem ser úteis no Reino de Deus, copiar a Cristo não é somente uma opção, é um projeto de vida. Portanto, nos identifiquemos com o nosso Senhor Jesus, cultivando todas as boas qualidades e virtudes que lhe são próprias “o fruto do Espírito” (GL 5.23). Quanto maior, e mais intensos foram a manifestação do fruto do Espírito em nossas vidas, mais intensamente refletiremos sua imagem.