A VONTADE DE DEUS NA VIDA DO CRENTE


INTRODUÇÃO

Vontade significa desejo, aspiração, gosto, interesse, propósito. É o poder de representar mentalmente um ato levado por motivos ditados pela razão. É a capacidade de querer, de livremente praticar ou deixar de praticar algum ato[1].

A vontade é uma das principais faculdades da personalidade. Quando a Bíblia menciona a vontade de Deus (Ef 5.17), ela está atribuindo a Deus, personalidade própria. Deus é uma pessoa, não uma força positiva que emana da natureza ou do universo. Como pessoa, Deus tem vontade, sentimentos, inteligência infinita, e todas as demais faculdades de uma personalidade. A diferença, é que Deus não é criatura, e sim o Criador de todas as coisas. Deus, idealizou, arquitetou, e deu existência a tudo o quanto existe; inclusive o próprio ser humano. O homem é a coroa da Criação de Deus (Gn 1.26,27). Portanto, Deus tem uma vontade específica para cumprir na vida de cada pessoa. Este é um direito seu como Criador da humanidade.

FAÇA TEOLOGIA CONOSCO

Confira Alguns de Nossos Cursos

Básico em Teologia

Médio em Teologia

Avançado Teologia

OS ASPECTOS DA VONTADE DE DEUS

A vontade de Deus pode ser entendida de diversas maneiras, abrangendo vários aspectos, tanto da vida cristã, como da vida comum.

A vontade de Deus pode referir-se ao seu querer soberano para com a vida do ser humano, individual e coletivamente (Is 48.14). Seu querer a respeito de como ele deseja que seu povo venha se comportar, ou como ele deseja que as coisas aconteçam (Sl 51.18). Afinal de contas ele é Criador de todas coisas, portanto tem o direito de ditar todas as regras (Dn 4.35). Isso não significa que Deus impõe sua vontade arbitrariamente (Jo 7.17). A vontade de Deus tem como limite o livre-arbítrio do homem. Isso é, a vontade de Deus jamais coagirá a essa ou aquela ação. Ela sempre respeitará a vontade dos indivíduos. A vontade de Deus nunca se choca com sua natureza perfeita e santa. Deus não pode negar-se a si mesmo (2 Tm 2.13). No entanto, a vontade de Deus, de uma forma ou de outra acaba sendo cumprida, pois Deus nunca perde o controle da situação. Isso não significa, por exemplo, que o mal é obra de Deus, mas que Deus pode se utilizar do mal para cumprir seu propósito. Deus permite algo, para que no final, seus propósitos sejam cumpridos (Rm 8.28). A vontade de Deus pode referir-se também aos seus padrões estabelecidos. Cumprir esses padrões é uma condição básica para alçarmos a vida eterna (Mt 7.21). Portanto, a vontade de Deus é soberana, e deve prevalecer em nossas vidas, e em tudo. Cumprir toda a vontade de Deus é uma maneira de nos identificar com ele, e com seu Filho (Mt 12.50; Mc 3.35; Lc 22.42) A vontade de Deus, também, pode significar o equilíbrio de sua criação, ou da natureza (Mt 10.29).

A VONTADE DE DEUS, A MELHOR OPÇÃO

A vontade de Deus para a vida do crente é sempre o melhor caminho. Ela sempre visa o nosso bem, apesar de, em algumas situações parecer o contrário. No entanto, no final, o bem de Deus sempre se manifesta (Rm 8.28; Hb 12.11). Jesus priorizou a vontade de Deus em sua vida (Jo 5.30; 6.38). A vontade do Pai era a sua missão (Jo 4.34). Até mesmo nos momentos mais difíceis invocou a vontade de Deus em detrimento de sua vontade (Mt 26.42) Quando ensinou a oração dominical, incluiu um elemento essencial; pedir a manifestação da vontade de Deus tanto no céu, como na terra (Mt 6.10).

Para entendermos sobre o tema “a vontade de Deus”, é necessário conhecermos as variações da sua vontade.

  • Os decretos de Deus (Rm 9.19). Decretos de Deus são seus planos e desígnios preestabelecidos, perfeitos e imutáveis, por meio dos quais ele dirige soberanamente a história e realiza sua vontade soberana em todo o universo, atingindo, assim, seus propósitos santos. Os decretos de Deus são impossíveis de serem frustrados (Jó 23.13,14; 42.2; Is 43.13; 46.10), sobrepõem-se aos propósitos humanos (Dn 4.35; Pv 19.21; Fp 2.13) e, sendo perfeitos, não sofrem alterações (1Sm 15.29; Sl 33.11; Is 46.10; Hb 6.17)[2].

  • Vontade essencial. Trata-se de sua vontade moral de Deus para com a humanidade, que dá origem aos seus padrões e princípios. É vontade aplicada de Deus. Ela reflete sua natureza moral imutável, contudo não é imposta, mas condicionada.

  • Vontade tratável de Deus. Trata-se da vontade Deus para nossas vidas no presente. Como Deus deseja que eu proceda em cada situação, ou qual sua vontade para cada situação (At 13.22; At 21.14). Essa vontade é conhecida pelo nosso trato presente com Deus (Rm 12.2). Não basta conhecermos um pouco da vontade de Deus, devemos conhecer toda a sua vontade (At 13.22; Cl 4.12)

  • Vontade permissiva. Trata-se dos incidentes da vida que não reflete a vontade soberana de Deus, mas que Ele, por algum motivo, permite acontecer (Rm 1.28). Um exemplo disso é a presença do mal no mundo.

CONDIÇÕES PARA ATENDERMOS A VONTADE DE DEUS

A vontade de Deus deve ser o alvo principal de todo crente. Como já dissemos, Deus visa sempre o nosso bem em tudo, mas para que todo o bem de Deus venha sobre nós, é necessário cumprimos todo o seu querer. Para isso, é necessário conhecermos os três estágios principais da vontade.

  • Informação. Refere-se ao conhecimento daquilo que Deus deseja que façamos (Ef 5.17; Cl 1.9). As escrituras nos revelam a plenitude da vontade padrão de Deus. Todo conhecimento necessário para servimos e agradarmos a Deus está revelada em sua Palavra (Jo 5.39).

  • Discernimento. Trata-se de compreensão e discernimento da vontade divina (Cl 1.9,10). Discernir ou entender a vontade de Deus é um requisito essencial para o seu cumprimento. Esse processo ocorre em nosso intelecto. A transformação ocorre por intermédio da renovação da mente para que possamos experimentar a plenitude da vontade de Deus (Rm 12.2)

  • Prática. Isso fala de nossa aplicação em obedecer aos propósitos do Senhor (2 Tm 2.26). A palavra de Deus nos recomenda a praticarmos o querer de Deus de todo coração (Ef 6.6). O Espírito Santo, que em nós habita, nos revela a vontade do Senhor. O Espírito Santo produz a vontade de Deus em nossas vidas, intermediando entre nós e Deus (Rm 8.27)

A VONTADE DE DEUS PARA COM A VIDA DO CRENTE

As Escrituras revelam aspectos essenciais da vontade de Deus para com a vida do homem.

  1. Não é da vontade de Deus que o homem pereça, mas que todos se arrependam e se salve (2 Pe 3.9)

  2. Não é da vontade de Deus que os seus filhos sejam escandalizados, ou se afastem de sua presença (Mt 18.14; Jo 6.39)

  3. A santificação do crente (1 Ts 4.3)

  4. Que ele seja em tudo agradecido (Ts 5.18)

  5. A distribuição dos dons espirituais

  6. Que nos apliquemos a prática de todo bem (1 Pe 3.17; 2 Pe 2.15)

  7. Que estejamos seguros de toda a sua vontade (Cl 1.9)

OS EFEITOS DA VONTADE DIRETA DE DEUS EM NÓS

Os benefícios de Deus em nossas vidas, são resultados diretos de sua vontade. Deus nos elegeu em Cristo para salvação, antes mesmo da fundação do mundo (Ef 1.4). Esse é o resultado direto da graça de Deus em nossas vidas (Ef 2.8). O crente responde pela fé a graça de Cristo, por meio do qual sua salvação é consolidada em nossas vidas.

  • Segundo à sua vontade, Ele nos gerou pela Palavra da verdade para sermos suas primícias (Tg 1.18)

  • Deus opera em nós tanto o querer, como o efetuar, segundo à sua vontade (Fl 2.13)

  • Deus não tem ninguém superior a si mesmo, portanto, necessita apenas “querer”, para que seus desígnios sejam realizados. Paulo em Efésios menciona:

  • O beneplácito (consentimento) da sua vontade (Ef 5.5)

  • E o conselho da sua vontade (Ef 1.11).

Deus depende apenas do consentimento, e do conselho da sua soberana vontade para sancionar seus decretos. Isso produz uma diversidade de resultados na vida do crente. Paulo menciona os resultados inquestionáveis da vontade de Deus na vida do crente em Efésios 1.

  • Paulo era apóstolo por vontade de Deus (v 1)

  • Todos as bênçãos espirituais, nos lugares celestiais (v 3)

  • Nos elegeu nele antes da fundação do mundo, para sermos santos e irrepreensíveis diante dele em amor; (v 4)

  • E nos predestinou para sermos filhos de adoção por Jesus Cristo (v 5).

Nos versículos seguintes, Paulo menciona ainda outros diversos benéficos a graça de Deus:

“Para o louvor da glória da sua graça, a qual nos deu gratuitamente no Amado; em quem temos a redenção pelo seu sangue, a redenção dos nossos delitos, segundo as riquezas da sua graça, que ele fez abundar para conosco em toda a sabedoria e prudência, fazendo-nos conhecer o mistério da sua vontade, segundo o seu beneplácito, que nele propôs para a dispensação da plenitude dos tempos, de fazer convergir em Cristo todas as coisas, tanto as que estão nos céus como as que estão na terra, nele, digo, no qual também fomos feitos herança, havendo sido predestinados conforme o propósito daquele que faz todas as coisas segundo o conselho da sua vontade, com o fim de sermos para o louvor da sua glória, nós, os que antes havíamos esperado em Cristo; no qual também vós, tendo ouvido a palavra da verdade, o evangelho da vossa salvação, e tendo nele também crido, fostes selados com o Espírito Santo da promessa, o qual é o penhor da nossa herança, para redenção da possessão de Deus, para o louvor da sua glória”. (vv 6-14)

OS EFEITOS DO CUMPRIMENTO DA VONTADE DE DEUS

A vontade de Deus é essencial em nossas vidas, e a condição exigida por Deus para que possamos obter os seus benefícios.

  1. A promessa da vida eterna (Hb 10.36)

  2. A santificação (Hb 10.10)

  3. A permanência em Cristo (1 Jo 2.17)

  4. A promessa de sermos ouvido por Deus (1 Jo 5.14)

AS CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS DA VONTADE DE DEUS

Paulo, em Romanos menciona três características simples da vontade do Senhor:

“E não vos conformeis a este mundo, mas transformai-vos pela renovação da vossa mente, para que experimenteis qual seja a boa, agradável, e perfeita vontade de Deus”. (Rm 12.2)

  • Boa. Essencial, inigualável, importante.

  • Agradável.

  • Perfeita. A vontade de Deus é perfeitamente perfeita. A melhor opção para a vida do crente. Por ser perfeita não aceita ser aperfeiçoada pelo ser humano.

  • Soberana.

  • Irrevogável (Rm 9.19).

CONCLUSÃO

Vimos que, o assunto que trata da vontade de Deus, é muito abrangente e complexo. Contudo, vale a pena nos esforçarmos em conhecer a vontade de Deus para nossas vidas. Nossa permanência na presença de Deus, e nossa apropriação completa das benções de Deus, depende, do fato de conhecermos, entendermos e praticarmos sua vontade. “Por isso não sejais insensatos, mas entendei qual seja a vontade do Senhor”. Efésios 5:17

[1] https://www.significados.com.br/vontade/

[2] http://igrejaredencao.org.br/index.php?option=com_content&view=article&id=1244:os-decretos-de-deus-parte-1&catid=25:artigos&Itemid=123#.WhN8BLanGHJ